Quem Somos

O Programa Estadual de Saúde do Adolescente da SES-SP iniciou seus trabalhos em 1985 e visa à implantação e implementação de uma política pública universalizada de juventude na área da saúde, com atendimento integral, multiprofissional e intersetorial para adolescentes de ambos os sexos, de 10 a 20 anos de idade. Em 1994 foi criada em Pinheiros a primeira Casa do Adolescente, serviço que hoje conta com 28 unidades no estado de SP. O Programa também articula a Comissão Científica em Saúde do Adolescente do Estado de SP, com integrantes de diferentes serviços e universidades. Além disso, vem estabelecendo parcerias com outras áreas técnicas e de organização da saúde na SES-SP, como a Saúde da Mulher e a Atenção Básica.

A Coordenação de Atenção Básica da SES-SP tem desempenhado importante papel em relação ao componente primário da assistência à saúde e também tem contribuído para a organização do sistema, dado o papel de coordenação do cuidado da APS. A partir de 2014, começou a ser delineada uma aproximação maior com o Programa Estadual de Saúde do Adolescente, no sentido de construir uma proposta para o atendimento de saúde de adolescentes no sistema público estadual.

O Centro de Saúde Escola Professor Samuel Barnsley Pessoa da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (CSE-FMUSP) foi fundado em 1977, com finalidades de ensino, pesquisa e extensão em Atenção Primária à Saúde (APS). Em 1989, constituiu-se o Programa de Atenção à Saúde na Adolescência (PASA), que além da assistência direta a essa população, vem desenvolvendo tecnologias para o cuidado, com histórico de parcerias com a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo (SES-SP), envolvendo o Programa Estadual de Saúde do Adolescente e a Atenção Básica. O PASA (CSE-FMUSP) integra a Comissão Científica em Saúde do Adolescente do Estado de São Paulo, coordenada pelo Programa Estadual de Saúde do Adolescente da SES-SP. Os principais enfoques do PASA são: a promoção da autonomia e do bem-estar de adolescentes e a contribuição para a sua cidadania; a redução de vulnerabilidade às Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e aids; a abordagem da gestação indesejada, do abuso de drogas e da violência.

O Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP) é uma instituição sem fins lucrativos, ativa há mais de quatro décadas, tendo realizado mais de 500 projetos de pesquisa, e funcionado como fórum de debate sobre os grandes problemas nacionais. O foco do CEBRAP é a análise e intervenção na realidade brasileira, com ênfase na comparação, combinando especialização e interdisciplinaridade, em diálogo constante entre as diferentes perspectivas teóricas e metodológicas. Dentre os vários projetos realizados, na área de jovens e adolescentes destacam-se dois principais: Projeto de Intervenção e Pesquisa “Dar Voz aos Jovens” e “Práticas inovadoras e sustentáveis na atenção à saúde do adolescente no SUS”, sendo o primeiro voltado à educação sexual de adolescentes, a partir de propostas de comunicação que incluam este grupo, e o segundo relacionado ao favorecimento de diálogo entre gestores, profissionais de saúde e adolescentes que frequentam as Casas do Adolescente.

O Programa Pesquisa para o SUS – gestão compartilhada em saúde (PPSUS) tem como objetivo geral apoiar financeiramente o desenvolvimento de pesquisas que visem contribuir para resolução dos problemas prioritários de saúde da população brasileira, especialmente em nível local, e para o fortalecimento da gestão do Sistema Único de Saúde (SUS). O PPSUS envolve parcerias no âmbito federal e estadual. No nível federal, participam o Ministério da Saúde, por meio do Departamento de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (Decit/SCTIE), que é o coordenador nacional do Programa, e o CNPq, que é a instituição responsável pelo gerenciamento técnico-administrativo do PPSUS em nível nacional. Na esfera estadual, estão envolvidas as Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs) e as Secretarias Estaduais de Saúde (SES). O desenvolvimento do programa possibilita a aproximação entre os sistemas estaduais e municipais de saúde e de ciência e tecnologia promovendo a mobilização da comunidade acadêmica da área da saúde para o desenvolvimento de projetos de pesquisa em temas considerados prioritários, tendo como parâmetro as necessidades reais de saúde da população.

A Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) é um organismo internacional de saúde pública com um século de experiência, dedicado a melhorar as condições de saúde dos países das Américas. A integração às Nações Unidas acontece quando a entidade se torna o Escritório Regional para as Américas da Organização Mundial da Saúde (OMS). A OPAS/OMS também faz parte dos sistemas da Organização dos Estados Americanos (OEA) e da Organização das Nações Unidas (ONU).

 

INSTITUIÇÕES ENVOLVIDAS:

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (SES-SP) / Programa Estadual de Saúde do Adolescente / Coordenação de Atenção Básica

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (SES-SP) / Programa Estadual de DST/AIDS / Área Técnica de Saúde Mental, Álcool e Drogas

Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo (COSEMS/SP)

Centro de Saúde Escola Samuel B. Pessoa da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (CSE-FMUSP) / Programa de Atenção à Saúde na Adolescência (PASA)

Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP)

Laborarório de Saúde Coletiva (LASCOL) da Universidade Federal De São Paulo (UNIFESP)

Apoio Técnico/Financeiro

Programa Pesquisa para o SUS – gestão compartilhada em saúde (PPSUS) – Ministério da Saúde / Departamento de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (Decit/SCTIE); Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (SES-SP); Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP): Processo FAPESP 2016/15205-5

Termo de Cooperação – Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS/OMS): SCON2016-02872

 

PESSOAS ENVOLVIDAS:

Pesquisadora responsável

Mariana Arantes Nasser (CSE-FMUSP; Depto. Medicina Preventiva-UNIFESP)

 

Interlocutores/as

Albertina Duarte Takiuti (Programa Estadual de Saúde do Adolescente, SES-SP)

Aparecida Linhares Pimenta (COSEMS-SP)

Arnaldo Sala (Coordenação de Atenção Básica, SES-SP)

Elza Berquó (CEBRAP)

José Ricardo Ayres (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Departamento de Medicina Preventiva)

 

Equipe de pesquisa

Sandra Garcia (CEBRAP. Compôs a equipe de coordenação na primeira fase)

Wilson Souza (Programa Estadual de Saúde do Adolescente, SES-SP. Compôs a equipe de coordenação na primeira fase)

Adalto Pontes (Médico Preceptor em Preventiva e Social, HC/CSE/FMUSP)

Débora Hermann (Pesquisadora CEBRAP, CSE/FMUSP)

Alzira Ciampolini Leal (Programa Estadual de Saúde do Adolescente, SES-SP)

Analice de Oliveira (Programa Estadual de DST/Aids, SES-SP), Beatriz Pereira (CSE-FMUSP)

Benito Lourenço (ICR/USP)

Claudia Fegadolli (Dpto. Ciências farmacêuticas, ICAQF/UNIFESP)

Cláudia Kfouri (Ilustradora LCA&J)

Daniela Vinhas Bertolini (Programa Estadual de DST/Aids, SES-SP)

Denise Piccirillo Barbosa da Veiga (Doutoranda, FSP/USP)

Fernanda Lopes Regina (Doutoranda, FMUSP), Fernanda Ranna (OPAS/OMS)

Franciele Finfa da Silva (Mestranda, EPM/UNIFESP)

Gabriela Souza Murizine (Mestranda, FSP/USP)

Gabriella de Oliveira Marques (Bolsista de Treinamento Técnico FAPESP TT-III, CSE/FMUSP)

Gleidiane Hedviges dos Santos (CSE-FMUSP)

Jan Billand (Pós-Doutorando, IP/USP)

João Minetto (consultor em informação e comunicação LCA&J)

Joice Barreto Moura (Bolsista de Treinamento Técnico FAPESP TT-III, CSE/FMUSP)

Jorge Harada (Depto. Medicina Preventiva-UNIFESP)

Júlia de Campos Cardoso Rocha (Residente, FMUSP)

Julliana Luiz Rodrigues (Depto. Medicina Preventiva-UNIFESP)

Khrysantho Muniz (Área Técnica de Saúde Mental, Álcool e Drogas / SES-SP)

Lia Pinheiro (Programa Estadual de Saúde do Adolescente, SES-SP)

Lígia Bruni Queiroz (ICR/USP)

Lígia Moura de Souza (CSE-FMUSP)

Lucilene Barros dos Santos (CSE-FMUSP)

Luiza Maria Escardovelli Alcântara (Mestre em Psicologia Social, PUC-SP)

Marcia Tubone (COSEMS-SP)

Maria Altenfelder (Gestora operacional na primeira fase; Pesquisadora CEBRAP, CSE/FMUSP)

Maria Gabriella Simões Alves de Oliveira (graduanda, ICAQF/UNIFESP)

Maria Ines Battistella Nemes (Depto. Medicina Preventiva-FMUSP)

Neusa Francisca de Jesus (Programa Estadual de Saúde do Adolescente, SES-SP)

Nicanor Rodrigues da Silva Pinto (Depto. Medicina Preventiva-UNIFESP)

Patrícia Ferreira de Andrade (Doutoranda, IP/USP),Paulette Cherez Douek (CSE-FMUSP)

Regina Figueiredo (Instituto de Saúde, SES-SP)

Reneide Rodrigues Ramos (CSE-FMUSP)

Sandra Maria Spedo (Depto. Medicina Preventiva-UNIFESP)

Sandra Montagna Barelli (Atenção Básica, SES-SP).

 

Experts para contrução da linha

Carmen Cecília de Campos Lavras (Universidade Estadual de Campinas, Núcleo de Estudos em Políticas Públicas)

Evelyn Eisenstein (Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Coordenação de Telemedicina da FCM-UERJ)

Francisco Inácio Pinkusfeld Monteiro Bastos (Fundação Oswaldo Cruz, Centro de Informação Científica e Tecnológica, Departamento de Informações em Saúde)

Juliana Rezende Melo da Silva (Ministério da Saúde/SAS/DAPES/Coordenação Geral de Saúde de Adolescentes e Jovens)

Lígia Bruni Queiroz (Hospital das Clínicas-FMUSP, Instituto da Criança)

Maria do Carmo Salviano Adrião (UNICEF – Fundo das Nações Unidas para a Infância)

Maria Ignez Saito (Depto. Pediatria-FMUSP)

Maria Ines Battistella Nemes (Depto. Medicina Preventiva – FMUSP)

Miriam Ventura da Silva (Instituto de Estudos em Saúde Coletiva, Universidade Federal do Rio de Janeiro)

Ruth Terezinha Kehrig (Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal de Mato Grosso)

 

Apoio administrativo

Kelly Almeida (CEBRAP)

Maria Goreti Barros Salgueiro Pereira (CSE-FMUSP)

Emislene Jorge Leite de Lima (Programa Estadual de Saúde do Adolescente, SES-SP)

Tatiane Almeida (UNIFESP).

2021 © Todos os direitos reservados